CLÁUDIO AJUDA-ME

… Alô, daqui fala o Cláudio! (Para o Mestre Raul)

Por

… A 29 de Novembro de 2006 escrevi este texto (meu Deus, já lá vão onze anos!!), que hoje vou buscar às memórias do meu blog, porque me parece justo e porque uma coisa assim nunca se esquece. Recordo hoje, 8 de Agosto de 2017, no dia em que se assinalam 8 anos do seu desaparecimento. Mestre Raul, o homem que nos pediu para sermos felizes.

‘Há dias em que temos a noção de que vai valer a pena a lutar! Raul Solnado, um dos melhor actores do mundo e uma referência cultural em Portugal, foi ontem convidado e homenageado no programa Fátima. Até aqui nada de novo, já que acho justo que as homenagens se façam em vida… Passou todo o programa, e a determinada altura o meu caminho nos bastidores cruza-se com o do senhor Raul Solnado, estendo-lhe a mão e faço referência ao que acabou de acontecer. Gabo-lhe o talento, e com a forma mais simples e humilde que devo ter visto até hoje, ele diz-me inesperadamente, “Sabe que gosto muito de si?! É das pessoas que mais gosto de ouvir falar na televisão… Diverte-me a sua verdade!”… Meus Deus do céu! Ia morrendo. Devo ter mudado de cor. Olhei para ele, segurei a mão ainda com mais força, e sorri de nervoso. Olhei para quem estava ao meu lado e fiquei muito envergonhado, como que a achar que não merecia aquele elogio. No fundo não imaginava sequer que o Senhor Raul Solnado sabia o meu nome, ou que eu existia. Muito menos poderia esperar um elogio destes vindo de dele. Obrigado! Ficará para sempre guardado na minha memória, e certamente fará parte da minha maneira de estar na vida. Vou para sempre recordar estas palavras, e no dia em que estiver menos bem, lembro-me que posso estar a ser ouvido pelo Senhor Raul Solnado, e isso, valerá sempre a pena!’

Foto.  Net

Leiam também um destes artigos:
… Se é para ter cor, que tenha (mas à séria) 
… Aqui está o que foi à Moda Lisboa e não devia ter ido (…a roupa, digo!) 
… O namoro de David (e os palpites de bancada) 
… Ela tem um Wiko! (novinho em folha!) 
… O meu orgulho pelo Miguel! (os bons chegam lá!) 
… Era uma vez um menino de rabo branco (e vontade de o mostrar)