CLÁUDIO AJUDA-ME

… Parabéns Cristina! (É hoje que ela faz 40 anos)

Por

… Não consegui estar presente na festa de anos da Cristina Ferreira por razões que já lhe expliquei e a não presença não muda em nada o afecto que nos temos fora das luzes. Na semana dos seus quarenta anos, a revista TV Mais publica uma carta aberta que lhe escrevi. Não é uma homenagem, é um sentir verdadeiro por alguém, que apesar de andar sempre rodeada de gente por todos os lados e ser o centro das atenções, faz um esforço para ficar ligada à terra e não deixar que essa ‘tanta gente’ lhe tolde o passo seguinte. Ao contrário do que possa parecer, não é fácil fazer-se isso. O truque é parecer que é fácil. Mas não é!

 

A carta:

… ‘Esta semana é uma data importante na tua vida. Celebras 40 anos e tenho a certeza que ao soprares as velas, fecharás os olhos e vais imaginar que conseguiste muito mais do que alguém um dia imaginou que irias conseguir. Riram-se de ti, gozaram contigo, criticaram-te pelas costas, ironizaram com a tua maneira de pensar, questionaram a tua ambição e duvidaram dos teus sonhos, mas não imaginavam, coitados, que chegarias aqui. Estes 40 anos, são uma espécie de celebração de vida associada a muitas conquistas que fizeste. Foste seguramente, em Portugal a primeira mulher a conseguir tanto em tão pouco tempo. E quando digo tanto, não me refiro ao destaque mediático, refiro-me ao esforço, à dedicação e à conquista, a notoriedade vem por acréscimo, com o que tem de bom, muito bom e mau. És uma líder, sei isso e em várias frentes. Na televisão vou defender sempre, que além do teu carisma e esforço há também o costume televisivo que ajuda muito a manter números, mas é inquestionável o muito esforço que identifico no teu trabalho, que tem um truque: é feito com verdade. Eu gosto de ti. Eu gostarei sempre de gente que acredita. Primeiro nós a acreditar, os outros se acreditarem ótimo, senão segue-se em frente com o que se tem. Fico orgulhoso de ti, porque te imagino no começo e confesso-te alguma inveja porque conquistaste muito do terreno que eu gostaria de ter conquistado. Não me incomoda tal confissão. Sei o suficiente para perceber as diferenças de um e outro. Tu venceste num mundo onde fazia falta alguém assim. Tinha que ser mulher, mas não poderia ser uma mulher qualquer. O provérbio, ‘chegar, ver e vencer’, não se aplica na totalidade, porque não foi assim que aconteceu. Chegaste devagarinho com a força toda, foste vendo e antes de venceres existiu muita determinação, muito esforço, muito trabalho e muita abdicação… Muitas vezes não se percebe isso. Abdica-se de muita coisa porque se percebe que só assim se chega lá. Podem detestar-te e podem revirar os olhos quando lerem estas linhas mas esta é a verdade. Amanhã não sabemos o que se passará, mas não se deve sequer questionar isto: tu, a jovem a quem tão poucos deram créditos, ficará definitivamente na história da nossa televisão. Terás ao teu lado um filho orgulhoso que tens sabido proteger deste exagero mediático onde de vez em quando te embrulhas e outras te embrulham sem quereres. Serás na Malveira a ‘saloia’ com os pés na terra. Não sei se saberás o lugar das estacas. Não acredito que será preciso voltar a pregá-las. Basta-me perceber que não te esqueceste de onde vieste. Isso, a mim diz muito e já faz de ti uma pessoa de bem. Parabéns querida Cristina. De coração!’

 

Leiam também um destes artigos: